O QUE É LIMITE

Tempos atrás, em determinado lugar, fiquei admirado ao ver um quadro do professor Yamaoka Teshu. Em cima, estava escrita, com letra bem grande, a palavra LIMITE. Abaixo, em letras pequenas, lia-se: "Em tudo os homens dependem dessa única palavra." Isso ficou gravado de forma tão profunda em minha mente, que até hoje não consegui esquecer. Durante dezenas de anos, em diversas ocasiões, lembrei-me daquele quadro, e a lembrança me foi de grande utilidade.

Muitas palavras sábias vêm sendo ditas desde os tempos antigos, mas talvez nenhuma tenha me impressionado tanto quanto aquela. É constituída de uma letra apenas, mas que força maravilhosa! Quando observamos as diversas situações do mundo tomando-a como ponto de referência, constatamos que ela se encaixa perfeitamente em todas. Ajusta-se, por exemplo, à passividade, aos exageros, aos pensamentos extremados voltados para a esquerda ou para a direita, à ostentação proveniente da riqueza e à inibição motivada pela pobreza. Não sei por que as pessoas sempre se colocam nos extremos. Talvez seja por isso que, na maioria das vezes, elas fracassam. A famosa admoestação de Confúcio no sentido de se obter o meio-termo surgiu para evitar esses fracassos. As expressões antigas "é bom não exceder o limite", "o limite é bom", "guardar o limite" significam, em síntese, que cada um deve proceder de acordo com a sua própria posição social.

Do ponto de vista espiritual, segundo a doutrina da nossa Igreja, se cruzarmos o vertical e o horizontal, isto é, "Shojo" e "Daijo", efetuar-se-á, no centro, a ação de "Izunomê". Isso resumido, significa também "limite". Por conseguinte, antes de mais nada, o homem deve respeitar os limites. Se o fizer, tudo lhe irá às mil maravilhas.

8 de agosto de 1951